Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Coronavírus pode tirar 0,5 ponto da alta do PIB deste ano, afirma Guedes

Coronavírus pode tirar 0,5 ponto da alta do PIB deste ano, afirma Guedes

O ministro Paulo Guedes afirmou trabalhar com a expectativa de crescimento de 2% para a economia neste ano, abaixo da estimativa de 2,4% feita pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia, e estimou que o coronavírus pode reduzir o crescimento do país em 0,5 ponto percentual, na pior das hipóteses.

“É claro que o coronavírus vai ter impacto. Nós fizemos os primeiros cálculos e, se a economia fosse crescer 2,5%, a pior hipótese era cair 0,5% [0,5 ponto percentual] e crescer 2% e na melhor cair 0,1% [0,1 ponto percentual]”, disse o ministro nesta quinta-feira (5) após evento na Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).

“Eu não estou nem contando com isso. Desde o início, a nossa hipótese de trabalho era 1% [de crescimento] no primeiro ano, 2% no segundo ano. Muita gente andou prevendo 2,5, 3%. Esse pessoal é que vai ter que refazer a previsão. Nós, desde o início, estamos prevendo 2%.”

O secretário de Política Econômica do ministério comandado por Guedes, Adolfo Sachsida, no entanto, divulgou em fevereiro projeção de crescimento de 2,4% para 2020. Na quarta-feira (4), o secretário afirmou que a equipe econômica irá cortar a projeção em razão do impacto do coronavírus sobre a atividade e que ela não ficará abaixo de 2%.

Guedes afirmou também que o Brasil não participou do crescimento acelerado da economia mundial nos últimos anos, “quando o vento estava a favor”, e agora também não seguirá no mesmo ritmo da maioria dos países, por ser uma economia fechada.

“Como o Brasil era uma economia fechada, quando ventou a favor, não pegou, quando ventar contra, também não pega tanto”, afirmou.

“O mundo está descendo em altíssima velocidade. O coronavírus vai acelerar a velocidade de queda. Só que o Brasil é a 130ª economia mais fechada do mundo. Depois da gente, só mais três ou quatro países africanos”.

Fonte: Bahia Notícias

OUTRAS NOTÍCIAS