Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Contra fechamento de creche infantil, pais do bairro Olhos D’Agua protestam em frente à prefeitura e na Câmara de Vereadores

Contra fechamento de creche infantil, pais do bairro Olhos D’Agua protestam em frente à prefeitura e na Câmara de Vereadores

Os pais dos estudantes da creche e Pré-Escola Frutos da Terra, localizada no bairro Olhos D’Água em Feira de Santana, voltaram a protestar contra o fechamento da unidade escolar na manhã desta quinta-feira (17).

Desta vez, os manifestantes interditaram a Avenida Senhor dos Passos, em frente ao paço municipal e em seguida, se deslocaram para a Câmara de Vereadores.

Ao Acorda Cidade, Andrea Lima, que é mãe de duas crianças, contou que não tem condições de levar os filhos para outra creche que seja mais distante da residência.

Foto: Ney Silva/Acorda Cidade

“Não podemos deixar que isso aconteça. O que vamos fazer com nossas crianças? Eu tenho dois filhos que estudam na Frutos da Terra, tenho um filho especial, no qual também precisa de atendimento especial e não tenho condições de colocar meus filhos em outra escola. Querem que a gente coloque nossos filhos em área de risco, mas nossos filhos não podem ficar sem assistência. Eu sou uma mãe que não tenho condições de pagar uma escola, assim como eu sei que tem outras mães aqui também que não tem dinheiro. A escola Frutos da Terra tem 60 anos de existência e de uma hora para outra, tomam esta decisão”, alegou.

De acordo com Jaqueline Barreto, que é voluntária e tem um filho estudando na creche, todas as mães continuarão lutando para que a unidade não seja fechada.

“Estamos aqui e iremos continuar lutando. A gente não vai deixar que a creche seja fechada. Vamos lutar para que outras creches também não passem por isso, porque quando se fecha um escola, o que pode acontecer? Um país que fecha uma escola, quer o quê dos seus eleitores? Querem que estas crianças virem bandidos quando crescerem? Estamos aqui lutando, nós que somos responsáveis por eleger os vereadores, o prefeito, mas com as escolas sendo fechadas, a gente vai eleger o quê? A gente cria o quê para a sociedade?”, argumentou.

Ainda de acordo com Jaqueline, o local ofertado pela Secretaria de Educação, é em área perigosa.

“O local que eles querem remanejar as nossas crianças é um local perigoso. Fica difícil para as mães que têm vários filhos, é um local longe, é perigoso e o prejuízo vai ser muito grande, não só em termos de locomoção, como também a segurança. Hoje estamos aqui na Câmara de Vereadores, fomos bem recebidas e todos entenderam a nossa causa. A gente não quer briga com a prefeitura, a gente não quer briga com a secretaria, o que a gente quer, é que mantenha a nossa escola, porque queremos que os nossos filhos tenham a educação”, disse.

Foto: Ney Silva/Acorda Cidade

Ao Acorda Cidade, o vereador Jhonatas Monteiro (Psol) que faz parte da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Municipal, destacou que não é possível fechar uma unidade escolar sem ao menos, a comunidade ter outras alternativas.

“Fechar a creche Frutos da Terra em qualquer cenário é errado, não é possível fazer um passo desse sem oferecer alternativa para a comunidade. Para todos os efeitos, o que existia, e a alegação do governo é essa, que existia uma pactuação por causa de um problema no prédio, que exigia melhorias, e que isso foi uma decisão do Conselho Municipal de Educação. Mas tudo indica muitos erros nesta caminhada, primeiro que a creche não foi comunicada devidamente desse processo. Segundo, como eu disse que, não tiveram alternativas oferecidas para a comunidade, pelo menos alternativas que sejam reais, o que não adianta jogar as crianças em qualquer outro lugar desconsiderando o risco, e terceiro é importante entender o seguinte, as creches que são conveniadas, ela devem ser adequadas ao padrão, mas é preciso discutir como o governo pode contribuir para esta equação. Em nenhum cenário você pode fechar uma escola sem avaliar o impacto disso na comunidade. Nós da Comissão de Educação e Cultura, vamos ainda hoje exigir uma reunião com a Secretaria de Educação, para dar andamento a esta situação, porque pela urgência, é algo que não pode esperar e cada dia que passa, não somente as comunidades são prejudicadas, como também as crianças principalmente”, concluiu.

Informações: Acorda Cidade

OUTRAS NOTÍCIAS