Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Cápsula do tempo enterrada há 22 anos no interior de SP revela objetos e cartas dos anos 2000

Cápsula do tempo enterrada há 22 anos no interior de SP revela objetos e cartas dos anos 2000

O que você estava fazendo em abril de 2000? Quais eram suas expectativas para o futuro? Em Capivari, interior de SP, estudantes da rede municipal de ensino fizeram uma cápsula do tempo com cartas e objetos da época, com objetivo de ser aberta 20 anos depois.

O monumento foi instalado em 22 de abril, dia em que completou-se 500 anos do descobrimento, na Praça Central da cidade e teria sido aberto no mesmo dia em 2020, se não fosse pela pandemia da Covid-19. Dois anos depois, finalmente veio a surpresa.

A cápsula do tempo foi onde estudantes da rede municipal da cidade depositaram cartas contando sobre a realidade do país naquela época, além de expectativas para o futuro. O monumento também guardou por 22 anos moedas, jornais, fotos e vários objetos.

Cápsula do tempo revela objetos e cartas dos anos 2000 em Capivari — Foto: Divulgação/Prefeitura de Capivari

Cápsula do tempo revela objetos e cartas dos anos 2000 em Capivari — Foto: Divulgação/Prefeitura de Capivari

“Nós guardamos na época recortes de jornais, fotografias do que a gente viveu, tem CDs aí dentro, tem uma carta minha contando quantos alunos a gente tinha na época”, conta a ex-secretária de educação Valéria Pacheco.

Segundo ela, em 2000 houve a municipalização do ensino em Capivari, quando a prefeitura assumiu o ensino fundamental, e isso foi um “pontapé” para o crescimento da rede de ensino da cidade.

A professora Alexandra Pagotto Souza, que tinha 22 anos na época em que a cápsula foi enterrada, lembra que seus alunos fizeram um livro, contando o que esperavam do Brasil em 20 anos. Por conta da ação do tempo, ainda não é possível abrir os papéis.

“Foi um livro que nós montamos. A aluna que fez a capa já é até mamãe. É uma lembrança muito gostosa, é muito emocionante”, contou.

Objetos encontrados em cápsula do tempo enterrada há 22 anos em Capivari — Foto: Divulgação/Prefeitura de Capivari

Objetos encontrados em cápsula do tempo enterrada há 22 anos em Capivari — Foto: Divulgação/Prefeitura de Capivari

O evento de abertura da cápsula nesta sexta-feira (22) atraiu várias pessoas para a praça central da cidade. Antônio Darvino Costa, mesmo pedreiro que instalou a cápsula do tempo em 2000, também foi o responsável pela abertura em 2022.

“É muito emocionante, porque na época eu trabalhava como funcionário público. Eu lembro do evento muito bem até hoje… Houve uma emoção de falar ‘daqui a 20 anos se eu tiver vivo, aí eu gostaria de abrir a cápsula do tempo'”, contou.

Essa cápsula nova que será enterrada tem o objetivo de ser aberta no aniversário de 210 anos da cidade, em 2042.

“É uma emoção, é uma honra grande eu participar desse evento. Porque faz parte da minha vida também.”

 

Pedreiro que enterrou cápsula do tempo há 22 anos em Capivari — Foto: Divulgação/Prefeitura de Capivari

Pedreiro que enterrou cápsula do tempo há 22 anos em Capivari — Foto: Divulgação/Prefeitura de Capivari

Nova cápsula

Além do livro feito por alunos e cartas, a cápsula do tempo guarda negativos de fotografias analógicas tiradas na época, revistas e jornais. Todo o acervo deve passar por uma separação, tratamento e depois será contado e arquivado pela prefeitura.

Os objetos devem entrar para o acervo do museu da cidade. Também deve haver uma exposição na praça central e, em seguida, haverá a formação de uma nova cápsula.

Segundo a técnica em museologia Gabriela Fiuza, antes de tudo os objetos devem ser tratados e copiados. “Ele [acervo] vai ser copiado para uma exposição aqui no dia 3 de julho, que vai ser também a formação da nova cápsula para mais 20 anos”, explicou.

OUTRAS NOTÍCIAS