Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Cantor Feirense ‘Pai do Axé’, Luiz Caldas revela uso de maconha, diz não cantar seu maior sucesso após ser considerado racista e comemora indicação ao Grammy

Cantor Feirense ‘Pai do Axé’, Luiz Caldas revela uso de maconha, diz não cantar seu maior sucesso após ser considerado racista e comemora indicação ao Grammy

Quem conheceu Luiz Caldas nos anos 80 e 90, com cabelos ao vento e descalço em cima do palco, hoje nota que o ‘Pai do Axé’ adota um estilo diferente. Aos 58 anos, o cantor e compositor opta por botas, unhas pintadas de preto, mas sempre mantendo a cabeleireira característica.

A mudança, segundo ele, é um processo de evolução que acontece naturalmente com o tempo. “Ninguém permanece igual, tudo muda. Tudo tem sua beleza, dependendo da época”, disse em entrevista ao jornal O Globo ao falar da mais nova indicação ao Grammy Latino 2021.

A nomeação veio com o disco “Sambadeiras”, um dos 116 álbuns ao longo da carreira, número alcançado desde  que começou em 2013, o projeto de lançar um disco por mês, com parceiros como Seu Jorge, Zeca Baleiro, Sandra de Sá, Gilberto Gil, Chico Cesar, entre outros). As canções vão  do do metal ao afro, passando pela salsa, pop e sertanejo e somam mais de mil músicas.

No entanto, entre elas não se pode mais encontrar um dos seus maiores sucessos, o hit “Fricote”, canção que ficou conhecida como marco zero do axé music. Isso porque ele parou de apresentar a canção que traz os versos “nega do cabelo duro/ que não gosta de pentea”, que passou a ser considerada racista por muitos.

Quem fez essa música virar sucesso foi o povo da Bahia, cuja maior parte é negra. Ofereço esse disco, está escrito lá, aos meus pais, minha cunhada e aos negros da Bahia. Se eu tivesse o intuito de sacanear… Inclusive meu parceiro de compostição, Paulinho Camafeu, é negro. Como se explica isso? Existem várias músicas que falam desse universo e não cabem hoje. Hoje, não canto “Fricote”, acho desnecessário. Se tivesse só um sucesso, como muitos artistas, teria que cantá-la até morrer para me sustentar e sustentar minha família. Mas tenho muitos. Acho que “Fricote” cumpriu o papel dela, de ser o elo com essa corrente toda que chama axé music”, justifica.

[Luiz Caldas revela uso de maconha e diz que parou de cantar seu maior sucesso após ser considerado racista]

Para Caldas, a canção ficará com seu lugar eternamente guardado na história. “Além do saudosismo, elas vão ficar na história como exempslo de coisas que aconteceram. Não se pode falar de axé music, de Banda Eva, de Ivete Sangalo sem falar de “Fricote”. Só existem eles porque existiu ela. Mas não há necessidade de cantá-la. Já que as coisas estão mudando, vamos em frente. Mas não vou apagar o que fiz, tenho o maior orgulho dela, mas posso me dar ao luxo de não cantá-la em público”.

E por falar em história, o baiano garante que seu espaço também é insubstituível na música brasileira. “Sou um cara que está na história da música brasileira. Com toda a humildade, eu sou Luiz Caldas. As pessoas conhecem. Muito gostam, outros desgostam, mas existo. E o melhor é que ainda vou fazer 60 anos, o que para os padrões atuais, é muito jovem. Na época que eu tinha 12 anos, quem tinha 40 era um coroa, velho mesmo. As coisas mudaram, e eu me cuido legal, sou super saudável. Não como carne, não bebo, não fumo”, diz ao falar do estilo de vida.

Questionado sobre sobre se não bebia nem fumava nada, o cantor respondeu: “Só maconha, que me deixa tranquilo, totalmente diferente do que os leigos acham. Porque é uma planta, não considero droga. É uma hipocrisia gigante fazerem propaganda de álcool e condenarem a maconha. A pessoa que bebe fica agressiva. Nunca vi um maconheiro deitado na sarjeta.”

Informações: O Globo

OUTRAS NOTÍCIAS