Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Brasileiras devem considerar adiamento de gravidez, recomenda OMS

Brasileiras devem considerar adiamento de gravidez, recomenda OMS

IMAGEM_NOTICIA_5 (1)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou que casais que vivem em locais com o surto do vírus zika adiem ou pelo menos considerem adiar uma gravidez. Para os estrangeiros ou mesmo pessoais locais que apresentaram algum sintoma, a sugestão publicada nesta terça-feira, 31, pela entidade é de que esperem pelo menos seis meses para iniciar uma gravidez. Já para estrangeiros que visitam locais com surtos e que não têm sintomas, a recomendação pede pelo menos 2 meses de espera até que uma gravidez seja iniciada.

A sugestão está sendo publicada depois que novos estudos realizados pela entidade e cientistas apontarem que o vírus tem um período maior de permanência no sêmen, além do que se previa. “Nossa sugestão é de que pessoas em locais com surto adiem ou considerem adiar uma gravidez”, disse Christian Lindmeier, porta-voz da OMS. Para ele, mulheres nesses países devem ter acesso a informação e medidas de prevenção, como preservativos.

Em casos de estrangeiros que visitam o Brasil e tenham sintomas como febre e conjuntivite, a sugestão é de que a espera seja de seis meses. “Isso é uma forma de garantir que o vírus deixe o corpo”, apontou Lindmeier. Segundo ele, a sugestão anterior da OMS era de uma espera de apenas três meses. “Decidimos rever nossas recomendações, diante das novas informações que temos sobre o vírus” disse.

Outra mudança se refere também a casais que tenham estado no Brasil, mesmo sem dar sinais de sintomas. “Essas pessoas devem esperar oito semanas ao voltar de locais afetados”, indicou. Antes, a recomendação falava em quatro semanas.

OUTRAS NOTÍCIAS