Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Bolsonaro sanciona, com vetos, ampliação de beneficiários do auxílio emergencial

Bolsonaro sanciona, com vetos, ampliação de beneficiários do auxílio emergencial

O presidente Jair Bolsonaro sancionou com vetos o projeto que amplia os beneficiários do auxílio emergencial de R$ 600. A sanção foi publicada na edição desta sexta-feira (15) do Diário Oficial da União.

A sanção permite que menores de 18 anos que forem mães recebam o valor. Por outro lado, Bolsonaro vetou  ampliação do benefício para profissionais informais que não estão inscritos no Cadastro Único. O Congresso Nacional especificava profissões que estariam aptas a receber os R$ 600 do governo, como motorista de aplicativos, vendedores porta a porta, ambulantes de praia.

Na justificativa, o governo  disse que a proposta de lei feria o principio da isonomia por privilegiar algumas profissões em razão de outras.

O governo também vetou a possibilidade de homens solteiros chefes de família de receberem em dobro o benefício emergencial. Nas atuais regras, apenas mães tem esse direito.

Uma lista de categorias específicas também foi vetada no decreto de Bolsonaro. Nesta, constam artistas e técnicos de espetáculo, cooperados de catadores de materiais recicláveis; pescadores artesanais, agricultores familiares, assentados de reforma agrária taxistas, motoristas e entregadores de aplicativo, entre outras.

A lei entra em vigor com a sanção, e os vetos terão de ser analisados pelo Congresso. Os parlamentares podem manter ou derrubar a decisão de Bolsonaro.

O documento está assinado por Bolsonaro e os ministros da Economia, Paulo Guedes; da Cidadania, Onyx Lorenzoni; e da Família, da Mulher e dos Direitos Humanos, Damares Alves.

VETO EXCLUI PESSOAS LIGADAS AO ESPORTE 

O veto do presidente também excluiu de receberem o auxílio emergencial os atletas, paratletas, técnicos e profissionais do esporte, como preparadores físicos, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, árbitros, auxiliares de arbitragem, trabalhadores envolvidos na realização das competições e autônomos da educação física.

Durante a tramitação do projeto no Senado, o texto original recebeu a emenda incluindo os personagens do esporte, de autoria da senadora e ex-jogadora de vôlei Leila Barros (PSB).

OUTRAS NOTÍCIAS