Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Bolsonaro chama Dilma de ‘presidanta’ e volta a colocar dúvidas sobre urnas

Bolsonaro chama Dilma de ‘presidanta’ e volta a colocar dúvidas sobre urnas

O presidente Jair Bolsonaro (PL) insultou nesta sexta-feira (25) a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) se referindo a ela como “presidanta”. A fala de Bolsonaro aconteceu quando ele citava os investimentos brasileiros no metrô de Caracas, na Venezuela, dizendo que Belo Horizonte não tem metrô, o que não é verdade. A capital mineira conta com uma linha de metrô, que vai até Contagem.

“Alguém acha que (Nicolas) Maduro (presidente da Venezuela) está pagando a dívida do metrô em Caracas? Não tem metrô em BH, mas tem metrô em Caracas. E a última presidente era de Minas, ou melhor presidanta”, atacou Bolsonaro. “Não querem voltar um cara para a cena do crime. Alguns querem voltar a quadrilha toda para a cena do crime.

A construção da linha cinco do metrô da capital venezuelana foi feita pela empreiteira brasileira Odebrecht, com financiamento do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

 

“Não vou fazer propaganda política aqui, mas está sendo divulgado na internet como se eu tivesse cancelado nosso evento do próximo domingo agora, que é o pré-lançamento da candidatura. Está mantido o evento aqui em Brasília, 10h, domingo”, afirmou.

URNAS ELETRÔNICAS

No evento no Palácio do Planalto, Bolsonaro voltou a levantar suspeitas sobre as urnas eletrônicas. Ele disse mais uma vez que o “voto tem que ser contado”, o que já é feito em toda eleição no país.

Nunca houve comprovação de fraude nas eleições desde a adoção das urnas eletrônicas no país. Essa constatação foi feita não apenas por auditorias realizadas pelo TSE, mas também por investigações do MPE (Ministério Público Eleitoral) e por estudos independentes.

Além disso, as urnas eletrônicas são auditáveis e este procedimento é feito durante a votação. O processo é chamado Auditoria de Funcionamento das Urnas Eletrônicas (ou “votação paralela”). Na véspera da votação, juízes eleitorais de cada TRE (Tribunal Regional Eleitoral) fazem sorteios de urnas já instaladas nos locais de votação para serem retiradas e participarem da auditoria.

Bnews

OUTRAS NOTÍCIAS