Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Bolsonarista Sara Winter afirma que não pretende fazer campanha em caso de disputa entre Bolsonaro e Lula

Bolsonarista Sara Winter afirma que não pretende fazer campanha em caso de disputa entre Bolsonaro e Lula

Com um histórico de atos contra o Supremo Tribunal Federal, uso de tornozeleira eletrônica e prisão, a ativista de direita Sara Giromini, 29 anos, decidiu abandonar o codinome Sara Winter e se aposentar da militância de rua.

Casada com o norte-americano, Joseph Huff, Sara disse que não se envolverá na disputa eleitoral protagonizada por Lula (PT) e Bolsonaro (PL). “Sou católica e conservadora e desejo o melhor ao meu pais e ao povo brasileiro, que é quem sai perdendo diante disputas de poder. Não pretendo fazer campanha para ninguém”, conclui, em entrevista à Folha.

O motivo apontado por Sara para abandonar o Winter e se aposentar da militância seria a vontade de recomeçar. “Com ele [o codinome] tive muitos erros e acertos, mas definitivamente é hora de enterrá-lo e iniciar uma nova etapa em minha vida, honrando o nome do meu esposo”, afirmou.

Há 14 anos usando o nome fictício, Sara fez parte do movimento feminista ucraniano Femen, mas rompeu com o grupo e tornou-se uma ex-membro da causa. Engajou-se na luta contra o aborto e passou a ministrar palestras críticas ao feminismo.

Ao se aproximar do governo do presidente Jair Bolsonaro foi nomeada coordenadora nacional de políticas à maternidade do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, sob a gestão da então ministra Damares Alves, em 2019, mas deixou o cargo no mesmo ano.

Em 2020, Sara liderou o movimento 300 pelo Brasil, formado por bolsonaristas e suspeito de organizar e captar recursos para atos antidemocráticos e de crimes contra a Lei de Segurança Nacional. Em manifestações, membros do grupo dispararam fogos de artifício contra a sede do STF, em Brasília.

Sara tornou-se alvo dos inquéritos das fake news e dos atos antidemocráticos, foi presa e teve que usar tornozeleira eletrônica. “Tenho acompanhado as eleições de longe. Penso que as pessoas colocam muita fé na política partidária em ambos os lados. Acredito que o esforço que ambos os lados fazem para apoiar seus candidatos talvez fosse melhor empregado com ações de caridade em um nível local. Tenho a esperança de o Brasil mudará não por intermédio de um símbolo político, mas pela aquisição e desenvolvimento de virtudes de maneira individual e também nas famílias”, disse à Folha.

 

Fonte: bnews.com.br

OUTRAS NOTÍCIAS