Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Blitz contra poluição sonora apreendeu 2.703 aparelhos em três anos

Blitz contra poluição sonora apreendeu 2.703 aparelhos em três anos

33812-3

As blitze contra a poluição sonora em Feira de Santana já apreenderam 2.703 aparelhos de som desde quando foi iniciada a Operação Feira quer Silêncio, há três anos. Somente nos últimos 90 dias, foram realizadas 200 apreensões pela equipe da fiscalização.

O secretário de Meio Ambiente do município, Maurício Carvalho, informa que o trabalho é realizado também nos finais de semana. Para denunciar, a população deve ligar para o número 156. Ele explica que durante o dia são permitidos sons com até 70 decibéis, das 6h às 18h, e de 60 decibéis, das 18h até as 6h da manhã.

“Todos os finais de semana em parceria com a Polícia Militar e a Guarda Municipal, com a Secretaria Municipal de Trânsito (SMT), a Civil e o Ministério Público. Nós temos feito esse trabalho de forma incansável de combate a esse crime ambiental, que não é fácil, pela extensão territorial de Feira, pela demanda que está aí”, afirmou o secretário.

Ainda de acordo com Maurício Carvalho, muitas pessoas têm ido para a zona rural da cidade, onde a fiscalização tem mais dificuldade em chegar. Outro local onde as denúncias são constantes é o bairro Rua Nova.

“No bairro da Rua Nova, a companhia 64 tem feito um trabalho em parceria com os órgãos municipais para combates específicos, pois lá tem uma tradição de muitos eventos. As pessoas, às vezes, fecham a rua de forma errônea, e é preciso que as pessoas entendam que vivemos em sociedade. Nós precisamos obedecer à lei”, declarou.

O secretário informou que quando um som é apreendido, ele é apresentado na delegacia e isso gera um processo na área crime, e o proprietário vai responder criminalmente pelo ato. “É uma luta muito árdua, nós estamos buscando outras alternativas, mas acima de tudo, nós precisamos entender que esse é um problema de todos, que ataca as pessoas independente da cor, da raça, religião, e é preciso que todos se unam contra esse crime”, ressaltou.

OUTRAS NOTÍCIAS