Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Bahia tem maior número de pagamentos sob suspeita de fraude do Bolsa Família AddThis Sharing Buttons

Bahia tem maior número de pagamentos sob suspeita de fraude do Bolsa Família AddThis Sharing Buttons

bahia-tem-maior-numero-de-pagamentos-sob-suspeita-de-fraude-do-bolsa-familia

Estado com maior participação em repasses do Bolsa Família, a Bahia é também a campeã em pagamentos sob suspeita de fraude, segundo investigação do Ministério Público Federal que abrange o período de 2013 e 2014. De R$ 2,5 bilhões que podem ter sido pagos de forma indevida a beneficiários que não se enquadravam no programa, R$ 623 milhões foram na Bahia – 25% do total.

Em segundo lugar vem Pernambuco, com um valor bem menor: R$ 369,2 milhões. Entre os municípios, a Procuradoria-Geral da República, responsável pela investigação, apontou Bahia, Brasília, João Pessoa, Manaus e Recife como locais com mais pagamentos suspeitos. Entretanto, não foi disponibilizada uma relação das cidades em que a suposta fraude ocorreu. O MPF estima que 1,4 milhão de pessoas – entre titulares e dependentes – tenham se beneficiado com a irregularidade.

Sessenta por cento dos pagamentos do Bolsa Família sob suspeita de fraude foram feitos a servidores públicos, que embolsaram R$ 1,5 bilhão no período analisado. Depois vêm os empresários, que receberam R$ 804 milhões, ou cerca de 32% do total. Beneficiários que doaram para campanhas eleitorais respondem por R$ 89 milhões, e sacadores falecidos, por R$ 80,8 milhões – cerca de 4%, cada um.

Os procuradores da República responsáveis pela investigação pediram explicações ao Ministério do Desenvolvimento Social. Segundo Renata Baptista, o fato de serem servidores públicos, doadores de campanha ou empresários não significa que os beneficiários fraudaram o programa. Mas tais condições levam o MPF a desconfiar que essas pessoas não se enquadravam nas regras de pobreza exigidas para receber a renda transferida.

O volume de recursos sob suspeita – R$ 2,5 bilhões – corresponde a cerca de 4,5% do total movimentado pelo programa de 2013 a 2014.Sob o novo governo, o Ministério do Desenvolvimento Social afirmou que vai estudar internamente os instrumentos de controle para verificar o que ocorreu. A ex-ministra da pasta, Tereza Campello, fez circular nas redes sociais um texto em que critica o MPF pela “auditoria” e diz que os casos foram superados, à época, pelas normas de fiscalização do ministério.

FONTE: Agência O Globo

OUTRAS NOTÍCIAS