Autor do livro “A Tempestade Perfeita” fala sobre sua experiência de quase morte

hypatia-h_c878277a4f63646ab5e3502248d8d33b-h_af7d59e7675e6233c5f85a11767ed110

Sebastian Junger está acostumado a desviar de balas em zonas de guerra, então ele não esperava quase morrer em sua própria garagem. Junger estava caminhando com sua esposa na floresta perto de sua casa quando de repente se sentiu tão mal que mal conseguia se mover.

Quando os paramédicos chegaram, Junger sentiu-se melhor e apenas relutantemente embarcou na ambulância por insistência de sua esposa. No hospital, os médicos perceberam que a artéria pancreática de Junger havia rompido. Foi tão terrível que ele precisou de uma transfusão de cerca de 5,6 litros de sangue direto em sua jugular.

Junger, um autor e jornalista, vê paralelos entre seu próprio trauma médico e a morte de seu amigo, o fotojornalista Tim Hetherington, que sangrou por causa de um estilhaço enquanto fazia a cobertura da guerra civil da Líbia.

Os dois homens enfrentaram cenários médicos muito diferentes, mas ambos precisaram de transfusões de sangue para sobreviver. Junger recebeu aquela transfusão, enquanto Hetherington não. Ele morreu a caminho do hospital.

Junger nunca pensou muito sobre doação de sangue antes de precisar do sangue de outra pessoa. Agora ele sente que doar é uma parte vital de ser um bom cidadão. “Dê sangue, vote e sirva como jurado, e você se sentirá parte de algo maior do que você mesmo, que é um dos melhores sentimentos que uma pessoa pode ter”, disse ele à CNN.

Uma experiência de quase morte

Além de torná-lo um defensor da doação de sangue, a experiência também fez com que o ateu declarado se questionasse sobre o que acontece após a morte. A experiência de Junger foi aterrorizante – mas também é compartilhada por pessoas em todo o mundo e em diferentes culturas.

“Eu não sabia especificamente que estava morrendo. Mas eu sabia que estava sendo puxado para um buraco negro que estava por baixo – o que parece uma má notícia – e não queria ir para lá ”, disse.

“E foi aí que meu pai morto apareceu em cima de mim até que eu disse, ‘Saia daqui, pai. Não quero nada com você agora’. Sou um cético, certo? E lá estava meu pai morto me dando as boas-vindas, e não sei por quê. No dia seguinte, uma enfermeira da unidade de terapia intensiva disse a Junger que ele quase morreu. A constatação foi surpreendente e, quando ela voltou ao quarto, “eu disse: ‘Estou bem, mas o que você me disse realmente me assustou’”.

Essa enfermeira sugeriu que, em vez de pensar em seu encontro com a morte como algo assustador, ele deveria “tentar pensar nisso como algo sagrado”.

Foi uma sugestão que ele levou a sério. A experiência “me deixou com o pensamento de que vou continuar pensando pelo resto da minha vida”, disse ele. “Não sou religioso, mas entendo a ideia de algo ser sagrado”.

A linha de frente definitiva

A experiência de Junger foi tão transformadora que ele está escrevendo seu próximo livro sobre experiências de quase morte. Ele ainda está na fase de pesquisa, mas o título provisório é “Pulso: o que nos mantém vivos e o que acontece quando morremos”.

“Tenho coberto linhas de frente em zonas de guerra toda a minha vida. Esta foi a linha de frente definitiva para mim ”, disse ele.

Junger diz que as enfermeiras de hospícios costumam relatar que, nos últimos dias e horas de uma pessoa, elas veem os mortos em seu quarto e até conversam com eles. O paciente moribundo geralmente acredita que está sendo escoltado por seu ente querido. Essa foi a experiência que Junger parecia ter com seu pai morto.

“Isso é muito, muito comum e estou tentando entendê-lo. Isso foi para mim incrivelmente traumatizante, mas quase uma espécie de despertar espiritual”, disse Junger.

“Isso não me fez acreditar em Deus, mas me fez pensar que talvez haja algo mais na existência, neste universo e nesta vida, do que os puros racionalistas permitem. Talvez haja algo um pouco mais que simplesmente não entendemos, e está esperando por nós.”

Fonte: CNN

OUTRAS NOTÍCIAS