Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Atendimentos no Hospital da Mulher superam a capacidade

Atendimentos no Hospital da Mulher superam a capacidade

252014081904

Os números falam por si. De janeiro a 20 abril deste ano, o Hospital Inácia Pinto dos Santos, o Hospital da Mulher, realizou 5.339 atendimentos – 2.319 mulheres foram internadas. Desse total, 4.415 pacientes são de Feira de Santana.

Os demais foram dos municípios pactuados a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e outras cidades da região. No ano passado, nos quatro primeiros meses, foram feitos 6.204 atendimentos, sendo 2.515 mulheres internadas.

Conforme a diretora-presidente da Fundação Hospitalar de Feira de Santana, Gilberte Lucas, o Hospital da Mulher vem atendendo acima de sua capacidade, que é de 68 leitos distribuídos nas três enfermarias.

A enfermaria A com 12 leitos é para gestantes de alto risco; enfermaria B, com 28 leitos, para puérperas pós-cesáreas e pós-curetagem; enfermaria C, com 28 leitos, para puérperas pós-parto normal.

Já o Centro Obstétrico conta com seis leitos para pré-partos, sala de curetagem um leito, o SRPA (Serviço de Recuperação Pós Anestésica) com três e a sala de cesárea dispõe de um leito. O Centro Cirúrgico, por sua vez, tem um leito em cada sala e três no CRO (Centro de Recuperação Operatório). A UTI Neonatal está composta com oito leitos e o berçário de médio risco com sete.

Há, ainda, o projeto Mãe Canguru com 17 leitos para alojamento das mães e recém-nascidos que obtiveram alta do berçário, e a Casa da Puérpera que é destinada para as mães em que o recém-nascido está internado no berçário e elas precisam permanecer no hospital para amamentá-lo.

Gilberte Lucas salienta que para garantir o atendimento, as pacientes passam por uma triagem, onde são identificados os casos de urgência e emergência – gestantes que já estão em trabalho de parto.

Ela diz, ainda, que por conta da demanda, que tem sido expressiva desde o início do ano, já houve a necessidade de colocar macas extras para atender as pacientes que chegam à unidade em trabalho de parto, sendo eles prematuros, e internar os recém nascidos no Centro Obstétrico.

OUTRAS NOTÍCIAS