Árvore cai em cima de túmulos no Cemitério São Jorge

cemiterio_saojorge_afas-1

O mototaxista Cláudio Rogério Pereira de Almeida, solicitou a reportagem do Acorda Cidade, para reclamar de uma situação que ocorreu neste final de semana no Cemitério São Jorge em Feira de Santana.

Segundo ele, um eucalipto, caiu há cerca de três meses na área interna do cemitério, atingindo cerca de cinco túmulos, um deles, da sua família.

No último sábado (23), o cunhado de Cláudio Rogério sofreu um infarto, faleceu e foi sepultado no domingo (24). Porém como o túmulo foi danificado, o corpo precisou ser enterrado em uma gaveta.

“O meu cunhado já vinha pedindo para que o cemitério tomasse uma atitude e consertassem o túmulo que é da família dele, onde a árvore caiu e destruiu cerca de cinco a seis túmulos. Se as pessoas tiverem a curiosidade, verão que tem ossos e caixões expostos, infelizmente uma vergonha. Quando foi no sábado, meu cunhado até como forma de ironia, perguntou se no Dia de Finados, tudo estaria pronto, mas acabou que meu cunhado faleceu e quando foi ontem, tivemos que enterrá-lo em uma gaveta, sendo que a família tem um túmulo com tudo pago, e eles não fizeram nada, olha que meu cunhado sempre vinha pedindo, perguntando quando é que o serviço seria feito”, afirmou.

De acordo com Rogério, os troncos das árvores continuam no mesmo lugar.

“Hoje por exemplo, ainda continua lá tudo destruído, as árvores por cima dos túmulos, os túmulos abertos, uma vergonha total. Eu sei que agora será mais um sofrimento para minha irmã, já que daqui a três anos, vai precisar remover os restos mortais e colocar no túmulo”, disse.

A reportagem do Acorda Cidade conversou com a diretora executiva da Associação Feirense de Assistência Social (Afas) Ivonilma Carneiro. A instituição é responsável pela gestão do cemitério.

 

Segundo ela, os serviços realizados no Cemitério São Jorge, são vinculados com a Prefeitura Municipal de Feira de Santana.

“Este problema que aconteceu no Cemitério São Jorge, foi provocado por conta de uma ventania que derrubou este eucalipto. Foi comunicado de imediato ao Departamento de Parques e Jardins, na pessoa de João Marcelo e Sr. João Falcão, inclusive tinha até uma colmeia de abelhas, que foi preciso um apicultor vir por quatro vezes, retirar todas elas. A prefeitura esteve aqui uma vez, cortou parte do tronco, mas não voltou para finalizar o serviço”, explicou.

Ainda de acordo com a diretora, a Afas faz a gestão do São Jorge em parceria com a prefeitura.

“A Afas é gestora do São Jorge, mas é um cemitério municipal, então é uma parceria que a gente precisa sempre continuar de um com o outro. Os custos do São Jorge são elevados, o que a gente angaria é aplicado no asilo de idosos do Campo Limpo, então se a gente for manter com tudo que tira daqui, hoje em dia a gente não consegue mais fazer a gestão do asilo, então a gente conta com esse apoio da prefeitura, com os parceiros para resolver o que é necessário, como é este caso, da secretaria finalizar a remoção dos troncos”, contou.

Sobre os túmulos que foram danificados, Ivonilma Carneiro explicou que não há orçamento para que todos os serviços sejam feitos de uma única vez.

“Com relação as sepulturas, nós precisamos ter orçamento. Quando ganhamos uma verba, ela já é carimbada, então a gente nunca tem em caixa. A gente vai indenizando conforme as condições. Já houve algumas sepulturas que já foram solicitadas as confecções do granito, mas aos poucos vamos resolvendo, porém a gente não tem fundo de caixa para resolver tudo ao mesmo tempo”, concluiu.

O Acorda Cidade está em contato com a Secretaria de Serviços Públicos para um retorno sobre a remoção dos troncos.

Com informações do repórter Ed Santos do Acorda Cidade

OUTRAS NOTÍCIAS