Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Após término da greve, professores continuam discutindo pauta de reivindicações com intermédio do MP

Após término da greve, professores continuam discutindo pauta de reivindicações com intermédio do MP

Os professores da rede municipal de ensino que encerraram a greve da categoria no dia 29 de março, a pedido do prefeito Colbert Martins e com a condição de que continuariam a discutir com o poder público a pauta de reivindicações se reuniram ontem (10) com a secretária de educação Jayana Ribeiro, o procurador do município Cleudson Carvalho e membros do Ministério Público do Trabalho (MP). Durante a reunião, foi discutida a questão da reposição das aulas que foram suspensas no período da greve e em virtude disso, não haver o corte de salários.

Marlede Oliveira, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (APLB), informou que os professores grevistas vão repor todas as aulas e que a reunião discutiu também sobre a reformulação do plano de carreira e pontos que não tem necessariamente um impacto financeiro. Ela considerou a reunião positiva e muito proveitosa.

“Os professores e funcionários têm direito a um plano próprio e a secretária se comprometeu a avaliar o impacto disso na folha. Foi marcada uma nova audiência para o dia 7 de maio, onde ela irá apresentar todo um estudo sobre isso. A nossa luta continua e vale ressaltar que a APLB nunca foi notificada pelo Tribunal de Justiça (TJ) no que diz respeito a ilegalidade da greve. Suspendemos o movimento com a condição de continuar o diálogo com o prefeito”, comentou.

A sindicalista acrescentou ainda que a categoria está discutindo sobre a reserva de carga horária e o fato da secretária descumprir um acordo que foi feito em 2017.

“Vamos para a Secretaria de Educação. A professora Jayana baixou uma portaria desfazendo o acordo. A gente resolve um problema e ela vem com outro”, concluiu.

 Informações do repórter Paulo José do Acorda Cidade.

OUTRAS NOTÍCIAS