Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual

Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual

A soldada da Polícia Militar Jessica Paulo do Nascimento, de 28 anos, fez uma denúncia contra um tenente-coronel à Corregedoria da PM por assédio sexual e ameaça de estupro e morte. O comandante do Batalhão da Zona Sul de São Paulo teria iniciado investidas contra ela em 2018. As informações são do UOL.

O homem não teve a identidade divulgada por conta do sigilo do processo. Ele é acusado de enviar mensagens e áudios com palavras de baixo calão e propostas indecorosas para a soldada, além de tê-la humilhado na frente de colegas.

Jessica hoje está lotada no 45º Batalhão da Polícia Militar do Interior (BPM/I), em Praia Grande, no litoral paulista. Ela entrou na PM em 2013 e começou a ter problemas com o comandante em 2018.

Ao UOL, ela contou que os assédios começaram já no primeiro dia em que se conheceram, quando ele já a convidou para sair.

“Tentei ser educada, expliquei que era casada, tinha filhos, mostrei a minha aliança. Hoje, eu vejo como era inocente porque, a partir dali, começou a perseguição contra mim”, disse Jessica.

A soldada conta que tentou entrar no Corpo de Bombeiros para trocar de trabalho, mas que o comandante a sabotou e não permitiu.

“Como eu não cedia e percebi que ele não ia desistir, fui fazer o teste para o Corpo de Bombeiros, queria sair de onde estava. Mas ele me sabotou, não permitiu. E o pior, quando soube que eu queria sair da companhia, exigiu minha transferência para um batalhão que fica a 40 km da minha casa. Mesmo sabendo que eu tinha dois filhos ainda bebês”, diz a soldada.

Ela conta que contou tudo ao capitão da 1ª Companhia, que a orientou a pegar um atestado de 6 meses, para ficar longe das investidas do comandante. Nesse período, ela se mudou com o marido para a Praia Grande e trocou o número de telefone, mas ainda assim o assédio continuou.

“Alguém passou meu número novo para ele e ele voltou a me ligar e mandar mensagens, sempre com palavreado chulo e propostas indecentes”, contou a soldada ao UOL.

De acordo com a reportagem, o comandante teria passado a fazer ameaças contra sua integridade física e à de sua família, caso ela não cedesse aos apelos dele. E tentou marcar um encontro com ela para levá-la a um hotel, mas um dia antes da data, no último dia 7, ela fez a denúncia para a Corregedoria da Polícia Militar contando toda a história.

Ainda segundo o UOL, a PM informou que recebeu a denúncia e imediatamente instaurou um inquérito policial militar para apurar os fatos. “O oficial foi afastado do comando do Batalhão e a investigação é conduzida pela Corregedoria da Polícia Militar. Todos os fatos são sigilosos, conforme prevê a legislação”, segundo a corporação.

Ao UOL, Jessica contou que, apesar do sonho de infância em ser policial, depois do que aconteceu, ela disse que se arrepende de ter entrado para a PM.

“Eu sonhava em poder ajudar as pessoas, em ser reconhecido como uma protetora dos inocentes. Mas era tudo falso. Foi o fim de uma ilusão. Se eu pudesse, de alguma forma, avisar à Jessica criança, lá no passado, daria dois tapas na cara dela e diria para ela acordar, procurar uma outra profissão”, disse a soldada.

Informações: ISTOÉ

OUTRAS NOTÍCIAS