Após alta em abril, ‘prévia do PIB’ volta a indicar queda da economia em maio, diz Banco Central

PIB

atividade econômica caiu 0,43% em maio deste ano, segundo o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central divulgado nesta quarta-feira (14). O índice avalia o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses e é considerado uma “prévia” do Produto Interno Bruto (PIB).

O resultado é em comparação com abril deste ano e foi calculado após ajuste sazonal – uma espécie de “compensação” para comparar períodos diferentes.

A queda registrada não era esperada pelo mercado, que previa crescimento de 1,05%. A baixa também interrompe uma sequência de alta, iniciada em abril, quando a atividade econômica voltou a reagir e cresceu 0,85% (valor revisado), segundo o índice do BC.

Em março deste ano, a atividade caiu 1,61%, interrompendo uma sequência de dez meses de crescimento.

EVOLUÇÃO DO IBC-Br
Em %, na comparação com o mês anterior (após ajuste sazonal)
0,140,140,830,83-4,51-4,51-9,5-9,51,241,245,195,192,522,521,311,311,621,620,940,940,610,610,520,520,610,611,651,65-1,61-1,610,850,85-0,43-0,43JAN/20FEV/20MAR/20ABR/20MAI/20JUN/20JUL/20AGO/20SET/20OUT/20NOV/20DEZ/20JAN/21FEV/21MAR/21ABR/21MAI/21-12,5-10-7,5-5-2,502,557,5

ABR/20
-9,5
Fonte: Banco Central

Outras comparações

Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o Índice de Atividade Econômica teve crescimento de 14,21% em maio, informou o Banco Central.

Já no acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, o índice registra expansão de 6,60% – sem ajuste sazonal. Em 12 meses até maio de 2021, houve alta de 1,07% – também sem ajuste sazonal.

PIB x IBC-Br

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. O resultado oficial é divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os resultados do IBC-Br são considerados uma “prévia do PIB”. Porém, nem sempre mostraram proximidade com os dados oficiais do Produto Interno Bruto.

O cálculo dos dois é um pouco diferente – o indicador do BC incorpora estimativas para a agropecuária, a indústria e o setor de serviços, além dos impostos, mas não considera o lado da demanda (incorporado no cálculo do PIB do IBGE).

O IBC-Br é uma das ferramentas usadas pelo BC para definir a taxa básica de juros do país, a Selic. Com o maior crescimento da economia, por exemplo, teoricamente haveria mais pressão inflacionária, o que demandaria alta na Selic.

Informações do G1

OUTRAS NOTÍCIAS