Apenas 2 dos 10 maiores parceiros comerciais do Brasil foram à reunião

encontro-bolsonaro-e-diplomatas

Representantes de apenas dois dos 10 países que mais importam produtos do Brasil confirmaram que estiveram presentes na reunião com embaixadores convocada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) na segunda-feira (18/7).

O chefe do Executivo federal convidou chefes de missão diplomática de cerca de 40 países para um encontro no Palácio da Alvorada. Na ocasião, o presidente voltou a levantar suspeitas sobre o sistema eleitoral brasileiro.

A lista oficial de embaixadores presentes na reunião não foi divulgada pelo Palácio do Planalto nem pelo Palácio do Itamaraty. Contudo, levantamento da reportagem junto às embaixadas aponta que houve baixa participação dos maiores parceiros comerciais do Brasil.

Dos 10 maiores importadores do país, apenas os Estados Unidos e a Espanha confirmaram ter enviado representantes ao encontro com Bolsonaro. Os participantes foram o encarregado de negócios norte-americano, Douglas Koneff, e o embaixador espanhol em Brasília, Fernando Garcia Casas.

Os titulares da Holanda (André Driessen), de Singapura (Desmond Ng), da Coreia do Sul (Lim Ki-mo) e do Japão (Teiji Hayashi) não participaram nem enviaram representantes. Chile preferiu não informar e México não respondeu ao contato até a publicação desta reportagem.

A Argentina, por sua vez, informou não ter recebido um convite, e a embaixada da China disse à reportagem que não poderia divulgar a informação. Interlocutores do Planalto, no entanto, informaram que os dois países não foram chamados porque estão sem embaixadores efetivos em Brasília.

Metrópoles levou em conta os maiores importadores do Brasil em 2021, de acordo com o Ministério da Economia. Veja abaixo a lista de países e a respectiva participação na balança comercial brasileira:

  • China: US$ 87.907 bilhões (31,30%)
  • Estados Unidos: US$ 31.145 bilhões (11,09%)
  • Argentina: US$ 11.878 bilhões (4,23%)
  • Países Baixos (Holanda): US$ 9.316 bilhões (3,32%)
  • Chile: US$ 7.018 bilhões (2,50%)
  • Singapura: US$5.820 bilhões (2,07%)
  • Coreia do Sul: US$ 5.670 bilhões (2,02%)
  • México: US$ 5.560 bilhões (1,98%)
  • Japão: US$ 5.539 bilhões (1,97%)
  • Espanha: US$ 5.433 bilhões (1,93%)

A reportagem também apurou que representantes da Índia (Suresh Reddy), França (Brigitte Collet) e da Rússia (Alexey Labetskiy) — países que integram a lista de nações que mais exportam para o Brasil estavam no evento. Embaixadores de Portugal (Luís Faro Ramos), Irlanda (Seán Hoy), Egito (Wael Aboulmagd) e Suíça (Pietro Lazzeri) também compareceram.

Os representantes de Reino Unido e Alemanha, Melanie Hopkins e Heiko Thoms, respectivamente, estão em férias e, por isso, não foram ao encontro que ocorreu no Palácio da Alvorada.

A apresentação de Bolsonaro aos chefes diplomáticos foi vista como um contraponto a uma sessão informativa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realizada em 31 de maio. Na ocasião, 68 embaixadores foram convidados pela Justiça Eleitoral para apresentações sobre o sistema eletrônico de votação do Brasil. Ao final do encontro, os diplomatas participaram de uma simulação com as urnas.

Posicionamento dos embaixadores

Após o representante dos EUA participar da reunião com Bolsonaro, a embaixada do país reafirmou, na terça-feira (19/7), a confiança no sistema eleitoral brasileiro e disse que o mesmo é “modelo” para o mundo.

 

“Os Estados Unidos confiam na força das instituições democráticas brasileiras. O país tem um forte histórico de eleições livres e justas, com transparência e altos níveis de participação dos eleitores”, diz trecho do comunicado.

Em declaração à imprensa, a embaixada ainda disse estar confiante de que as eleições de outubro deste ano “vão refletir a vontade do eleitorado” e que o atual sistema de urnas eletrônicas “servem como modelo para as nações do hemisfério [Norte] e do mundo”.

O embaixador da Suíça em Brasília, Pietro Lazzeri, participou do encontro. Em seu perfil nas redes sociais, ele afirmou que espera do Brasil um pleito que “celebre a democracia”.

“No ano do Bicentenário do Brasil, desejamos ao povo brasileiro que as próximas eleições sejam mais uma celebração da democracia e das instituições”.

Teor da discussão

Durante o encontro com embaixadores, o presidente Jair Bolsonaro voltou a lançar dúvidas sobre as urnas eletrônicas. Por mais de 45 minutos, o chefe do Executivo federal também criticou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e afirmou que seu governo está empenhado em apresentar uma “saída” para as eleições deste ano.

A reunião com estrangeiros foi realizada no Palácio da Alvorada e contou com a estrutura do governo para ser divulgada. Na ocasião, o chefe do Palácio do Planalto repetiu argumentos já desmentidos por órgãos oficiais e reiterou que as eleições deste ano devem ser “limpas” e “transparentes”.

“Nós queremos, obviamente, estamos lutando para apresentar uma saída para isso tudo. Nós queremos confiança e transparência no sistema eleitoral brasileiro”, declarou. “Nós queremos corrigir falhas. Queremos transparência. Nós queremos democracia de verdade.”

No evento com diplomatas, o presidente também criticou os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin e Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo ele, os três magistrados querem trazer “instabilidade” para o país.

Fonte: metr

 

OUTRAS NOTÍCIAS