Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Ampliação do uso da cloroquina pode provocar mortes em casa, afirma Mandetta

Ampliação do uso da cloroquina pode provocar mortes em casa, afirma Mandetta

O uso de cloroquina em pacientes em estágio inicial do novo coronavírus pode sobrecarregar os centros de terapia intensiva e provocar mortes em casa por arritmia cardíaca, disse o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta em entrevista à Folha. O uso da substância no tratamento da doença foi um dos motivos que o fez deixar o cargo.

Mandetta afirmou também que resultados iniciais de estudos que recebeu ainda no governo Bolsonaro indicavam riscos no uso do medicamento.

“Começaram a testar pelos [quadros] graves que estão nos hospitais. Do que sei dos estudos que me informaram e não concluíram, 33% dos pacientes em hospital, monitorados com eletrocardiograma contínuo, tiveram que suspender o uso da cloroquina porque deu arritmia que poderia levar a parada [cardíaca].”

De acordo com o ex-ministro, a pressão por parte do presidente para liberar o protocolo de uso da cloroquina é uma tentativa de estimular o retorno das pessoas ao trabalho. Contudo, na avaliação dele, o país atravessou até o momento apenas 1/3 da crise.

“A ideia de dar a cloroquina, na cabeça da classe política do mundo, é que, se tiver um remédio, as pessoas voltam ao trabalho. É uma coisa para tranquilizar, para fazer voltar sem tanto peso na consciência. Se tivesse lógica de assistência, isso teria partido das sociedades de especialidades [não do presidente]. Por isso não tem gente séria que defenda um medicamento agora como panaceia”, disse o ex-ministro.

OUTRAS NOTÍCIAS