Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Adolescente com esclerose múltipla precisa de cirurgia urgente, SUS nega, e família faz apelo; Conseguir medicamentos é outra dificuldade

Adolescente com esclerose múltipla precisa de cirurgia urgente, SUS nega, e família faz apelo; Conseguir medicamentos é outra dificuldade

Um adolescente de 15 anos, de Feira de Santana, precisa fazer uma cirurgia na coluna, para corrigir uma escoliose. A família faz um apelo para que ele consiga o procedimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O jovem, que se chama Gabriel West, também esclerose múltipla, e vai precisar esperar até alcançar a maioridade para fazer o procedimento. Ele também precisa usar medicamentos ofertados pelo SUS, que estão em falta.

A esclerose múltipla é uma doença neurológica, progressiva e autoimune. As células de defesa do corpo atacam o sistema imunológico da própria pessoa, causando lesões no cérebro e na medula.

“Um caso raro, ele que é um menino, descobrimos quando ele tinha 6 anos. Um menino e negro, um caso raro mesmo. A esclerose múltipla é comum para mulheres acima de 30 anos e branca”, disse a dona de casa, Josemary West, mãe de Gabriel.

Família faz apelo para conseguir medicamentos para adolescente com esclerose múltipla na Bahia — Foto: Reprodução / TV Subaé

Segundo especialistas, apesar de ser mais comum em adultos, crianças e adolescentes podem desenvolver a doença.

Para retardar o avanço da esclerose múltipla, Gabriel precisa de uma medicação que só é oferecida pelo SUS. Entretanto, a mãe do garoto afirma que enfrenta dificuldades para conseguir os remédios.

“É uma doença que a gente vence a cada dia, porque tem surtos. Ele já toma medicamentos pelo SUS, que por sinal estÃO em falta”, disse a mãe do garoto.

 

“O medicamento dele está programado para chegar em outubro. Pessoas que eu conheço que me doaram três caixas e consegui esperar. Mas as três caixas não vão dar até outubro”, revelou Josemary West.

Desde novembro do ano passado, Gabriel passou a lidar com uma deformidade na coluna, que vem se agravando com rapidez. A escoliose causa curvaturas em pontos da coluna com graus muito acentuados.

No caso de Gabriel, a curvatura já ultrapassa os 90°, o que tem comprometido a qualidade de vida do garoto. Neste caso, a cirurgia é o único meio possível para o tratamento. Entretanto, o procedimento que Gabriel precisa não é oferecido pelo SUS, em Feira de Santana.

“Em Salvador, para eu conseguir, ele precisa fazer 18 anos. Eu tenho que esperar ele completar 18 anos para fazer o procedimento lá. Só que eu não sei se em três anos ele vai estar vivo para fazer a cirurgia”, disse a mãe do menino.

Família faz apelo para conseguir medicamentos para adolescente com esclerose múltipla na Bahia — Foto: Reprodução / TV Subaé

Por causa da deformidade, o garoto já sente dificuldades para andar. Gabriel West tem esperança de que vai conseguir fazer a cirurgia antes de alcançar a maioridade e vai poder voltar a andar de bicicleta, um dos lazeres preferido dele.

“Sinto dor na coluna, na hora de dormir. Incomoda bastante”, disse o garoto.

Para o neurologista Paulo Machado, Gabriel West tem dois grandes problemas de saúde, que necessitam de cuidado e atendimentos permanentes, mas considera que o mais urgente é a cirurgia ortopédica. Ele entende que a curvatura na coluna já atingiu um nível muito grave e que se a curvatura ficar muito acentuada, o paciente pode ter outras sérias complicações.

“O foco agora tem que ser tratar a escoliose, porque ele tem uma escoliose grave, um grau altíssimo de curvatura, comprometendo vários órgãos, como coração e pulmão”, disse Paulo Machado.

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) informou à TV Subaé, afiliada da TV Bahia, que o procedimento está elegível, em fila única, administradas pelos municípios.

Já a Secretaria de Saúde de Feira de Santana informou que não há solicitação de cirurgia para Gabriel West no sistema e que o critério para o atendimento de pacientes é ter idade a partir de 18 anos.

Já sobre a falta de medicamentos para a esclerose múltipla, o Núcleo Regional de Saúde informou que apura a situação.

Informações: G1

OUTRAS NOTÍCIAS