Uma reunião dos permissionários do transporte alternativo de Feira de Santana foi realizada no final da tarde de ontem (17) no auditório do Sest Senat, onde foi debatido o transporte público. O presidente da cooperativa de permissionários do transporte alternativo de Feira de Santana, Thiago Alves, afirmou ao Acorda Cidade que o objetivo da reunião foi saber o cronograma do início da operação do novo sistema de transporte alternativo e deixar claro para todos os permissionários as exigências dos veículos, de documentação, conforme o edital.

“Tem alguns permissionários que não estavam se enquadrando para o que pedia no edital. A gente tentou junto ao Ministério Público um termo de Ajuste de Conduta para que esses colegas pudessem ingressar com seus veículos com ano inferior ao solicitado no edital, para que acabasse com essa angústia e o sistema começasse a operar o mais rápido possível. Nossa ida ao MP foi esclarecedora, definitiva e já temos um cronograma para o início da exploração do novo sistema. Essa reunião foi muito boa, por deixar o transparente todas as tratativas que a gente vem tomando nos últimos tempos. A gente precisava dessa definição. Todos os permissionários já estão cientes das suas ações”, afirmou.

O secretário municipal de Transportes e Trânsito, Saulo Figueiredo, informou que está definido todos os detalhes para a implantação do novo transporte alternativo de Feira de Santana, que começa a operar no dia 12 de junho. Segundo ele, já foram definidos as linhas gerais da operação do novo sistema e a data de vistoria para os permissionários será entre os dias 29 de abril até o dia 7 de junho.

“Inicialmente o novo sistema passa a operar com seis linhas, o que perfaz aproximadamente 40% do sistema. Teremos a linha de Humildes, Limoeiro, Matinha, Doutor, Fulô, Onça, Candeia Grassa e Jacú. De 105 permissionários, apenas 40 serão contemplados inicialmente, pois em comum acordo com eles, nós entendemos que deveremos fazer isso de forma paulatina em três etapas. Então escolhemos as linhas que tem uma representatividade grande, já que existirá um período de transição. Com a equipe que temos a disposição, nós projetamos que poderíamos ter dificuldade para começar 25 linhas e 105 veículos ao mesmo tempo. É uma mudança e optamos por fazer isso aos poucos”, explicou.

Informações do repórter Paulo José do Acorda Cidade