Cidades brasileiras registram paralisações em serviços públicos e protestos na manhã desta sexta-feira (14). Trabalhadores cruzaram os braços contra os cortes do governo na educação e contra a reforma da Previdência. Por volta de 8h20, ao menos 16 estados e o DF foram afetados.

No início da manhã, os efeitos da paralisação eram sentidos nas grandes cidades principalmente no transporte público e com o fechamento de vias. Somente parte das linhas de ônibus, trem e metrô funcionavam em capitais como São Paulo, João Pessoa, Curitiba e Salvador. No Rio, protestos bloquearam vias da cidade.

No Rio, vias foram bloqueadas por manifestantes, e a PM chegou a usar bomba de efeito moral para dispersar protesto, mas o transporte público não parou
Em SP, somente algumas linhas do metrô paralisaram, e houve bloqueio de vias importantes por protestos
Escolas e universidades amanheceram fechadas em locais como Goiás, São Paulo, Sergipe Distrito Federal, Minas Gerais e Pará
Até 8h05, 43 cidades de 14 estados tinham registrado protesto
Até 8h15, 31 cidades haviam registrado paralisação de serviços em 15 estados e no DF
A Força Nacional reforçou a segurança no DF

Na capital paulista, quatro linhas do metrô tinham operação parcial por volta de 6h. A circulação de ônibus e trens ocorria normalmente. Houve bloqueio com protesto na Avenida do Estado, que liga São Paulo às cidades do ABC Paulista, em Santo André.

Em Santos, no litoral, manifestantes bloquearam a entrada da cidade e saíram em caminhada pelo Centro. Em Sorocaba, no interior, motoristas paralisaram e, no início da manhã, nenhum dos 352 ônibus saiu das garagens das empresas que operam o transporte público na cidade.

No Rio, o transporte público — ônibus, trens, metrô e barcas — funcionava normalmente no início da manhã. No entanto, ao menos quatro pontos da cidade foram tomados por protestos e algumas das principais vias foram parcialmente fechadas. Às 7h40, um princípio de tumulto começou perto da Rodoviária Novo Rio, e a PM usou bombas de efeito moral para dispersar os manifestantes, que recuou.

Uma das vias que teve bloqueio é a Avenida Brasil, uma das principais da capital. Em Campos, no Norte Fluminense, um ato bloqueava os dois sentidos da BR-101, no Km 76, por volta das 5h30.

No Distrito Federal, a paralisação afetou o funcionamento dos ônibus e do BRT. Ônibus de várias regiões pararam de circular desde as 5h, e a Rodoviária do Plano Piloto, principal terminal da capital, tinha plataformas vazias. Escolas públicas e a Universidade de Brasília também ficaram sem aula. A Força Nacional reforçou a segurança no DF.

Em Salvador, ônibus e trens não circulavam no início da manhã, mas o metrô seguia funcionando.
Na Região Metropolitana de Belo Horizonte, protestos afetavam a circulação do metrô e o trânsito. Estações de metrô amanheceram fechadas. Também houve protesto nas seguintes rodovias: MG-010, na capital; na Fernão Dias, em Betim; na BR-040, em Congonhas; na MG-129, em Mariana; e na BR-356, em Ouro Preto.

Em Curitiba, ônibus bloqueavam algumas ruas por volta de 6h30. As garagens de algumas empresas de transporte coletivo ficaram fechadas. Em Londrina e em Maringá, na região norte do Paraná, ônibus também pararam.

Em Florianópolis, o trânsito ficou comprometido com pontos bloqueados por barricadas e fogo. Até as 6h, Florianópolis e Blumenau estavam com os serviços de transporte público interrompidos.

Em Natal, no início da manhã, a saída de uma garagem de ônibus ficou bloqueada, e os coletivos não saíam. Somente por volta das 7h os ônibus começaram a deixar as garagens.

Os ônibus funcionavam parcialmente em cidades do Rio Grande do Sul no início da manhã. Os trens, no entanto, amanheceram paralisados na Região Metropolitana de Porto Alegre — manifestantes obstruíram trechos dos trilhos. Na capital gaúcha, as garagens da empresa Presidente Vargas e Gasômetro ficaram bloqueadas até as 6h30, mas em seguida as linhas de transporte coletivo passaram a operar. Também houve manifestantes na garagem da principal empresa de transporte de passageiros de Rio Grande.

Em Maceió, rodoviários atrasaram em 2 horas a saída dos ônibus, mas acataram a decisão judicial de manter 70% da frota funcionando.
Em João Pessoa, protestos bloqueavam vias e garagens de ônibus no início da manhã. Em Campina Grande, funcionários de uma empresa de telemarketing foram impedidos de entrar.

Em Sergipe, trabalhadores de várias categorias decidiram paralisar e manifestantes se concentraram em algumas garagens do transporte coletivo de Aracaju.
Em São Luís, rodoviários do transporte coletivo paralisaram as atividades desde as 4h. Integrantes de sindicatos foram às portas das garagens das empresas para impedir a saída dos ônibus.

Em Goiás, um grupo de manifestantes se reuniu ainda na madrugada em frente à garagem da Metrobus, de onde saem os ônibus do Eixo Anhanguera. Segundo a empresa que administra o transporte coletivo na Grande Goiânia, o ato gerou atraso na saída dos veículos. Ao menos três escolas, sendo uma estadual e uma municipal, amanheceram fechadas.

Em Belém, integrantes de sindicatos e movimentos sociais atearam fogo em pneus e bloquearam a avenida Almirante Barroso, na área do entroncamento. Rodoviários também não permitiram que os ônibus saíssem das garagens, apesar de uma decisão judicial ter imposto que ao menos 90% dos veículos circulassem em caso de paralisação.

Informações: G1/Caldeirão do Paulão/Foto: Foto: Reprodução/TV Liberal